Após longa batalha, morre Chico Anysio, aos 80 anos

https://i0.wp.com/natelinha.uol.com.br/img/pag/315x265/img20120323151636.jpg

Na tarde desta sexta-feira (23), morreu o comediante Chico Anysio, 80.

Por volta das 12h, um boato movimentou o Twitter, porém procurada pelo portal NaTelinha a assessoria de imprensa do Hospital Samaritano, no Rio, negou a informação. Já às 14h52, o óbito aconteceu e o fato foi confirmado.

A morte foi devido a complicações cardiorrespiratórias. Na última quinta (22), Anysio passou por uma drenagem torácica para retirada de um “grande hematoma pleural”, ou acúmulo de líquido.

A esposa do humorista, Malga di Paula, disse que ontem foi um dia difícil. Já na manhã de hoje, pelo Twitter, retuitou várias mensagens de apoio a Chico.

Chico Anysio estava internado desde o dia 30 de novembro de 2011 após sentir ardência ao urinar e apresentar febre alta. Os doutores constataram uma infecção urinária, ocasionada por fungos.

Após ser tratado com antibióticos via venosa, Chico Anysio recebeu alta no dia 21 de dezembro e havia comemorado no Twitter: “Olá, amigos! Voltei pra casa hoje depois de maisuma temporada no hospital. Estou feliz porque vou passar o Natal em casa e ansioso para voltar a trabalhar”.

Porém, no dia seguinte, ele voltou a ser internado, desta vez com hemorragia digestiva e pneumonia.

Já entre o final de 2010 e o início de 2011, Chico Anysio passou quatro meses internado. No dia 2 de dezembro de 2010, ele deu entrada no hospital com quadro de falta de ar.

Após ser avaliado, foi diagnosticada a obstrução da artéria coronariana, levando o paciente a ser submetido a uma angioplastia. Durante o período em que estava internado, Anysio ainda foi diagnosticado com pneumonia, que foi curada no final de janeiro.

Em abril do ano passado, pouco tempo depois de receber alta, ele voltou à TV com um quadro no “Zorra Total”.

Carreira

Falar em humor no Brasil é falar de Chico Anysio. Cearense, com um humor genuinamente brasileiro, Francisco Anysio de Paula Filho surgiu no rádio, como comentarista esportivo e radio ator. Em 1949, sua veia humorística tomou conta, passando a redigir 13 programas semanais da linha de shows da Rádio Mayrink Veiga.

Participou também de programas de calouros com suas imitações e personagens caricatos com um número que totalizava 32 vozes diferentes. Na década de 50, já vencedor de todos os concursos das maiores emissoras de rádio, foi elevado à categoria de hour concour, o que permitiu oportunidade em um novo meio, a televisão.

Em 1957 inicia sua trajetória televisiva através da TV Rio, se torna efetivamente conhecido e Walter Clark, então diretor de programação da emissora, coloca Chico em destaque na TV. Com o surgimento do VT (videotape), Carlos Manga, diretor cinematográfico e da TV Rio, convida Chico para tentar algo novo, um programa repleto de personagens do humorista. Nascia o “Chico Anysio Show”. A partir daí, o cearense e seus vários personagens percorreram as maiores emissoras do país: TV Excelsior, Tupi e Record.

Em 1969, o humorista chega à TV Globo. No ano seguinte, estreia o programa “Chico Anysio Especial”, com edições mensais e gravadas em externas. Nesse período, lança também uma série infanto-juvenil, apresentada após o “Jornal Nacional”, antecedendo a novela das oito. Em 1973, “Chico City” é fundada, uma pequena cidade que virou metrópole e reunia uma população hilariante, repleta de personagens de Chico Anysio, exibida até 1981.

Na década de 80, “Chico Anysio Show” retorna à TV, dessa vez na Globo, permanecendo por 10 anos no ar, com diversas adaptações e retomadas de formatos antigos, como o próprio “Chico City” e a estação de TV fictícia QCV.

De 1990 a 1995, o programa de Chico muda e um único quadro vira destaque: “Escolinha do Professor Raimundo”, fábrica de dezenas de humoristas consagrados como seu ex-redator, Tom Cavalcante. Em 1999, a “Escolinha” volta, como um quadro do “Zorra Total” de cast renovado.

Nessa mesma época, outros programas de Chico habitaram a grade da TV Globo, como “Estados Anysios de Chico City” e novas versões de “Chico Total”. Ainda em 1997, Chico sofre um grave acidente, que paralisa seus movimentos faciais. O humorista passa uma temporada fora do Brasil em tratamento e retorna em 1998 com novas ideias, que eram apresentadas antes da exibição do “Zorra Total”.

Chico Anysio sempre foi destaque em todos os aspectos: teve um quadro regular no “Fantástico” por 17 anos, foi supervisor de criação do programa “Os Trapalhões” no início dos anos 1990, atuou em diversos filmes, novelas e especiais, compôs canções e publicou vários livros. Atuou no teatro, trabalhou com artes plásticas e realizou exposições por todo o país.

Sobre Filipe Ferreira

sou um blogueiro ciente do oque faço.

Publicado em 23/03/2012, em televisão e famosos e marcado como , , , , , , , . Adicione o link aos favoritos. Deixe um comentário.

Deixar um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s